Pesquise no Grupo AVPH
loading...

Urso Gigante de cara achatada

Arctotherium angustidens - AVPH
   O Arctotherium angustidens ou Urso gigante de cara achatada, viveu há aproximadamente 2 milhões a até 500 mil anos atrás durante o final do Plioceno e o Pleistoceno na América do Sul.

   Seus ancestrais, os Ursos de cara achatada norte americanos Arctodus pristinus e Arctodus simus migraram para o sul após a formação da ponte de terra entre as américas, há cerca de 2,6 milhões de anos atrás, se tornando ainda maiores, devido a grande disponibilidade de presas de médio e grande porte e a ausência de concorrentes, carnívoros de grande porte.

   O Arctotherium angustidens podia medir cerca de 1,9 metros de altura nos ombros apoiado nas 4 patas e quando em pé podia atingir 3,3 metros de altura, chegando a pesar 1,5 toneladas, sendo considerado o maior carnívoro mamífero terrestre conhecido.

   Os restos fósseis foram desenterrados durante a construção de um hospital na cidade de La Plata, Argentina. O Urso Gigante de cara achatada foi o membro mais antigo e maior de seu gênero. Seu parente vivo mais próximo é o atual Urso de óculos (Tremarctos ornatus) da América do Sul.

   Esta espécie de urso provavelmente tinha uma dieta onívora, porém com predominância de carne, pois a megafauna da época provavelmente desempenhou um papel importante em sua alimentação e potencialmente incluía preguiças gigantes, mastodontes, camelos, antas, tatus e gliptodontes. Sendo a caça ativa foi sua estratégia principal de alimentação, porém seu imenso tamanho e força o permitia lutar por presas caçadas por outros carnívoros e roubar as mesmas. Alimentar-se de carniça também seria uma opção pois para manter esse enorme tamanho, o Urso Gigante de cara achatada teria que alimentar de grandes quantidades frequentemente.

   A análise dos restos fósseis encontrados sugerem que o exemplar foi um macho de idade avançada, que sobreviveu a uma série de lesões graves durante a vida. Isto pode indicar que o mesmo viveu diversas batalhas com outros machos, disputando fêmeas, alimento e território, pois nesse período não existiam predadores grandes o suficiente que se conheça para efetuar tais ferimentos. A espécie se tornou extinta depois que outros carnívoros evoluíram e se diversificaram na América do Sul.

Dados do mamífero:
Nome: Arctotherium
Nome Científico: Arctotherium angustidens
Época: Pleistoceno
Local onde viveu: América do Sul
Peso: Cerca de 1,6 toneladas
Tamanho: 2,3 metros de altura nos ombros
Alimentação: Onívora

Classificação Científica:
Reino: Animalia
Filo: Cordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Superfamília: Arctoidea
Família: Ursidae
Subfamília: Tremarctinae
Gênero: Arctotherium
Espécie: Arctotherium angustidens, (Gervais e Ameghino, 1880)

Referências:
- Soibelzon, L. H.; Tonni, E. P.; Bond, M. (October 2005). "The fossil record of South American short-faced bears (Ursidae, Tremarctinae)". Journal of South American Earth Sciences 20.

Paleoilustrador:
- Roman Uchytel - prehistoric-fauna.com



loading...
loading...
   ® Atlas Virtual da Pré-História - AVPH.com.br | Conteúdo sob Licença Creative Commons | Política de Privacidade | Termos de Compromisso | Projeto: AVPH Produções
    Obs.: Caso encontre alguma informação incoerente contida neste site, tenha alguma dúvida ou queira alguma informação adicional é só nos mandar um e-mail. Tenha uma boa consulta !!!.