Pesquise no Grupo AVPH
    Faça uma Doação R$5,00

Australopithecus africanus

Australopithecus africanus - AVPH Australopithecus africanus - AVPH Australopithecus africanus - AVPH Australopithecus africanus - AVPH


       O Australopithecus africanus cujo nome "Australopithecus" tem origem no Latim australis "do sul" e no Grego pithekos "macaco" e africanus lembra o local onde foi encontrado, é um primata que viveu há aproximadamente 3,0 e 2,0 milhões de anos atrás (datado através de biocronologia) durante o Pleistoceno em florestas e savanas abertas da África.

       Passavam boa parte do tempo nas árvores, se alimentando de folhas e frutas. Essa espécie foi a primeira do gênero a ser descrita pelo biólogo Raymond Dart em 1924, baseado no "Crânio juvenil de Taung", encontrado na região de Taung na África do Sul um crânio que Dart pensou ser o “elo perdido” da evolução entre os macacos e os seres humanos, devido ao forame magno, buraco na base do crânio, onde a medula espinhal conecta com o cérebro, que é visto em humanos e outros hominídeos bípedes, devido ao pequeno volume do seu crânio, mas com uma dentição relativamente próxima dos humanos e a possibilidade de andar ereto.

      Por ter ocorrido nos primórdios das descobertas, esta revelação foi muito criticada pelos cientistas da época, entre os quais Sir Arthur Keith, que postulava que não passava do crânio de um pequeno gorila, pois não se acreditava que o “berço da humanidade” pudesse estar na África. Essa crença foi realizada em parte por causa de um crânio e mandíbula fóssil encontrado na Inglaterra, chamado Homem de Piltdown, que tinha um cérebro grande como um humano, mas com uma mandíbula e os dentes que eram mais primitivos, mais parecidos com as de um macacos. Este fóssil serviu para alimentar as crenças dos cientistas de que a grande mudança entre humanos e macacos seria visto primeiro no tamanho do cérebro, mas também mostrou que a evolução humana teria ocorrido na Europa, o que soava melhor, pois muitos cientistas tinham visões eurocêntricas de evolução humana, bem mais aceitas do que a origem Africana dos seres humanos. Com o tempo, o fóssil de Piltdown foi desmascarado e verificado ser simplesmente o crânio de um humano e uma mandíbula com dentes limados de orangotango, mas para a primeira parte do homem do século 20, o Homem Piltdown foi considerado o melhor exemplo de um membro da linhagem entre macacos e humanos.

      Novas descobertas na década de 1930, por Robert Broom em Swartkrans, confirmaram as conclusões de Dart, porém a ideia de que os ossos de gazela encontrados junto com o crânio podiam ser instrumentos utilizados pelos A. africanus, não foi confirmada. Em 1950 foi reconhecido pela comunidade científica como um hominídeo verdadeiro, pois nessa época uma série de fósseis novos haviam sido encontrados (outros crânios e partes de crânios), em cavernas de calcário em Sterkfontein, Taung, e Makapansgat, todos na África do Sul.

      Sua morfologia é semelhante ao Australopithecus afarensis, ambos possuem corpos pequenos se comparados com outros hominídeos posteriores, possuem as estruturas pélvicas e adaptações para as pernas e para os pés que os caracterizam como bípedes, possuíam uma bacia ampla, joelho dobrado abaixo do corpo, falanges curvas, mas tem diferenças importantes no crânio, onde o cérebro de A. africanus é levemente maior do que nos A. afarensis e dentes, onde os pré-molares e molares são maiores e os incisivos e caninos são menores que A. afarensis, características que partilha com os membros do gênero Paranthropus, possuíam a face menos prognática, inclinada para a frente, com a base do crânio que são mais angulados no centro, possuíam um alto osso frontal, da testa, parte traseira do crânio maior e mais arredondado, traços esses que os tornam similares aos membros do gênero Homo, o que torna o A. africanus uma espécie difícil de posicionar na linhagem dos hominídeos.

      Essas características sugerem que o A. africanus pode ter evoluído a partir do A. afarensis ou algum outro hominídeo semelhante ainda desconhecido, porém o A. africanus é velho o suficiente para ser um antepassado de muitos hominídeos diferentes, sendo que sua situação se complica devido o nível de variação observada entre os indivíduos da mesma espécie, como variação do tamanho do molar e a estrutura facial, o que indicam que os mesmos poderiam ser reclassificados em duas espécies distintas ou apenas um grande dimorfismo sexual (com duas formas distintas de corpo e tamanho), um para machos e outro para fêmeas, com machos medindo cerca de 1,40 metros de altura e peso de 41 quilogramas e fêmeas medindo cerca de 1,15 metros de altura e peso de 30 quilogramas, o que é comum para os primatas. As mudanças na dentição e a valorização no rosto pode indicar que A. africanus comia uma dieta mais dura ou mais dura do que os A. afarensis, mas que também era mais macia do que a dieta dos membros do gênero Paranthropus (estudos baseados em arranhões e buracos deixados sobre os dentes pela mastigação dos alimentos).

Provável som que ele emitia:


Dados do Primata:
Nome: Australopiteco africano
Nome Científico: Australopithecus africanus
Época: Plioceno
Local onde viveu: África
Peso: Cerca de 50 quilogramas
Tamanho: 1,5 metros de altura
Alimentação: Onívora

Classificação Científica:
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Subfamília: Homininae
Gênero: Australopithecus
Espécie: Australopithecus africanus, Dart,1925

Paleoilustrador:
- John Gurche - Reconstruction based on ER 3733 for the Human Origins Program, NMNH.

Referências:
- http://humanorigins.si.edu/evidence/human-fossils/species/homo-erectus
- http://www.becominghuman.org/node/human-lineage-through-time



loading...
loading...
   ® Atlas Virtual da Pré-História - AVPH.com.br | Conteúdo sob Licença Creative Commons | Política de Privacidade | Termos de Compromisso | Projeto: AVPH Produções
    Obs.: Caso encontre alguma informação incoerente contida neste site, tenha alguma dúvida ou queira alguma informação adicional é só nos mandar um e-mail. Tenha uma boa consulta !!!.