Pesquise no Grupo AVPH
loading...

Dentes de Sabre - AVPH

   Os Tigres Dentes de Sabre são uma subfamília (Machairodontinae) da Família Felidae que desenvolveram longos dentes caninos que pareciam facas para cortar carne em formato curvo, lembrando as espadas curvas chamadas de sabres. O grupo surgiu há aproximadamente de 20 milhões de anos atrás, no começo do Mioceno na África, sendo o Miomachairodus da África e da Turquia o mais antigo dente de sabre conhecido, eles se espalharam por quase todo o planeta (América do Sul, América do Norte, Europa, Ásia e África) e se extinguiram há aproximadamente 10 mil anos atrás no final Pleistoceno. A utilização do termo tigre para esse grupo de animais não seria correto, pois não são parentes próximo dos tigres os quais pertencem ao grupo das Panteras ou subfamília Pantherinae. E também ao contrário do que muitos acreditam, os felinos dentes de sabre não são ancestrais dos atuais felinos, na verdade eles não deixaram parentes vivos, todos foram extintos. Possuíram uma ancestral comum há aproximadamente de 20 milhões de anos atrás que acabou se adaptando a ambientes distintos e se especializando em abater presas utilizando principalmente os caninos e quanto maiores eles eram, maiores eram os ferimentos em suas vítimas. No caso dos felinos atuais, ao invés de seus ancestrais evoluírem no sentido de especialização, eles se tornaram generalistas. Existia outro grupo de felinos com logos dentes caninos (Nimravidae), mas que não eram verdadeiros dentes de sabre.
   Os primeiros Felinos dentes de sabre que atingiram grande porte foram os pertencentes aos gêneros Machairodus e Promegantereon que viveram na Europa e já estavam muito bem adaptados a caçar presas grandes como cavalos, antílopes, girafídeos, ancestrais dos rinocerontes e possivelmente jovens mastodontes. Seus corpos já eram robustos, suas pernas já estavam se tornando curtas e fortes, porém a cauda ainda era alongada e os caninos possuíam em média 12 centímetros de comprimento. Durante esse período os felinos ancestrais dos atuais (pequenos e grandes), não conseguiam se desenvolver plenamente, não ultrapassando o tamanho dos linces atuais, medindo no máximo cerca de 1,0 metro de comprimento e 0,6 metros de altura nos ombros, pesando entre 20 a 30 kilogramas. Vivendo praticamente "nas sombras" desses poderosos felinos dentes de sabre (pertencentes aos gêneros Lokotunjailurus, Adelphailurus, Stenailurus e Metailurus), como os mamíferos viveram "nas sombras" dos dinossauros durante a Era Cenozoica.
   Durante o Plioceno e Pleistoceno surgem os gênero Megantereon, Dinofelis, Homotherium, Smilodon e Xenosmilus, estes já possuíam um rabo mais curto, perna fortes, um corpo e pescoço robustos e longos caninos em forma de sabre que podiam ultrapassar os 15 centímetros.
    Os caninos dos felinos dentes de sabre era uma formidável arma de ataque, porém para desenvolver os mesmos, tiveram que reduzir o número de dentes pré-molares e alguns gêneros apresentavam uma falange óssea no maxilar inferior, para encaixar os longos caninos superiores, protegendo-os assim de serem danificados. Os falsos dentes de sabre (Nimravidae) também possuía essa proteção, bem como os dente de sabre marsupiais (Thylacosmilidae). Esses longos caninos serviam principalmente para perfurar as artérias e esôfago através de uma mordida no pescoço da presa.
   Os dentes caninos longos, exigiam certos cuidados e um estilo de combate próprio para seus utilizadores, pois esses dentes poderiam se partir caso o animal preso neles se debatesse com força, sendo então necessário utilizá-los somente para desferir o golpe final. Era então necessário abater a presa utilizando a força, derrubando ao chão e somente após a imobilização é que os famosos dentes entravam em ação finalizando o combate. Para isso era necessário que seus corpos fossem mais robustos que os felinos modernos, sendo comparáveis em musculatura e força aos ursos atuais. As pernas traseiras eram em geral mais curtas que que as dianteiras, trocando a velocidade na corrida pela força de impacto durante o ataque por emboscada. Eram carnívoros poderosos, que atacavam suas presas através de emboscadas, agarrando as mesmas na região próxima do pescoço e as derrubando ao chão utilizando-se de sua força e peso. Em seguida desferiam o golpe final utilizando seus enormes caninos que rasgavam a garganta da presa, levando-a a morte rapidamente, para isso possuíam uma grande abertura angular entre as maxilas, isto é, conseguiam abrir a boca em quase 120°. Utilizavam seus poderosos músculos do pescoço para auxiliar na força da mordida. Essas qualidade os tornavam capazes de abater presas como Mamutes, Mastodontes, Preguiças gigantes, bisões, camelos, cavalos, porcos selvagens, ancestrais do rinocerontes, entre outros animais de médio e grande porte.
   Um dos principais e mais famosos tigres dentes de sabre, pertencem ao o gênero Smilodon, que foi descrito pela primeira vez pelo naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund em 1842, após encontrar os primeiros fósseis da espécie Tigre dente de sabre sul americano (Smilodon populator) nas cavernas de Lagoa Santa em Minas Gerais, Brasil. O mais famoso no entanto é o Tigre dente de sabre norte americano (Smilodon fatalis) que foi encontrado ao milhares nos poços de alcatrão de La Brea, sendo essas duas espécies derivadas do Tigre dente de sabre ancestral (Smilodon gracilis).


Classificação Científica:
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Subordem: Feliformia
Família: Felidae
Subfamília: Machairodontinae
Tribo: Metailurini (possuíam dentes em forma de cimitarra)
Gêneros:
- Adelphailurus
- Pontosmilus
- Stenailurus
- Metailurus
- Dinofelis (Therailurus)
Tribo: Homotherini (possuíam dentes em forma de cimitarra)
Gêneros:
- Lokotunjailurus
- Homotherium

Homotherium latidens
- Xenosmilus

Xenosmilus hodsonae
Tribo: Machairodontini (possuíam dentes em forma de sabre)
Gêneros:
- Miomachairodus
- Machairodus

Machairodus giganteus
Tribo: Smilodontini (possuíam dentes em forma de sabre)
Gêneros:
- Rhizosmilodon
- Smilodon
        
Smilodon gracilis                                                  Smilodon fatalis                                                  Smilodon populator
- Megantereon
- Paramachairodus (Paramegantereon, Promegantereon)

   Os Falsos Felinos Dentes de Sabre (Nimravidae):

   Os Nimravidae eram conhecidos como falsos felinos dentes de sabre, pois eram uma família extinta de carnívoros, que mesmo sendo parecidos fisicamente com os felinos dentes de sabre da subfamília Machairodontinae, não eram felídeos e sim parentes próximos pertencentes a mesma subordem Feliformia. Evoluíram de forma paralela e convergiram adaptativamente para formas similares devido a estilos de vidas parecidos.
   Esse processo evolutivo iniciou em ancestrais comuns entre os nimravídeos, felídeos e viverrídeos, que divergiram há aproximadamente 55 milhões de anos atrás. Os primeiros fósseis catalogados como nimravídeos são datados do final do período Eoceno há aproximadamente 36 milhões de anos atrás. Se diversificaram e atingiram seu auge há cerca de 28 milhões de anos atrás, se extinguindo no fim do Mioceno há 5,0 milhões de anos atrás.
   As principais diferenças entre os verdadeiros Felinos dentes de sabre e os nimravídeos são devido algumas características do crânio, como a estrutura do ouvido interno, a presença de uma falange óssea no maxilar inferior, que protegia os dentes caninos superiores. O corpo era mais musculoso, as pernas eram mais curtas e a estrutura óssea era mais robusta. A cauda tinha comprimento variável de acordo com a espécie, mas em geral, era mais curta que dos Felinos dentes de sabre. Os nimravídeos também possuíam garras retráteis, mas sua dentição era bastante diferente dos felinos modernos. Os maiores exemplares desse grupo, atingiram tamanhos enormes, comparados aos maiores dos felinos dentes de sabre, leões e tigres que já existiram.

Família: Nimravidae Cope, 1880 sensu Trouessart, 1885
Subfamília: Nimravinae Cope, 1880
Gêneros:
- Dinictis
- Dinaelurus Eaton, 1922
- Dinailurictis
- Eofelis Kretzoi, 1938
- Nimravides
- Nimravus Cope, 1879
- Pogonodon Cope, 1880
- Quercylurus
Subfamília: Hoplophoninae Kretzoi, 1929
Gêneros:
- Eusmilus Gervais, 1876
- Hoplophoneus Cope, 1874
Subfamília: Barbourofelinae Schultz et al., 1970
Gêneros:
- Barbourofelis

Barbourofelis fricki

Barbourofelis loveorum
Barbourofelis morrisi
Barbourofelis osborni
Barbourofelis piveteaui
Barbourofelis vallensiensis
Barbourofelis whitfordi
- Prosansanosmilus
- Sansanosmilus
- Syrtosmilus
- Vampyrictis
- Vishnusmilus


   Os Dentes de Sabre Marsupiais (Thylacosmilidae):

   A Família Thylacosmilidae era um grupo extinto de predadores marsupiais que viveram na América do Sul durante o Plioceno e o Mioceno e que possuíam caninos superiores alongados e achatados lateralmente. Ocupavam o mesmo nicho ecológico que os mamíferos Dentes de sabre como os Felinos dentes de sabre (Smilodon) e os Falsos dentes de sabre (Barbourofelis), devido a uma convergência adaptativa ao mesmo estilo de caça e presas.
   Essa família de marsupiais é famosa por apresentar características dentárias e cranianas similares ao dos tigres dente de sabre, porém existiam diversas diferenças entre eles, pois os Thylacosmilidae possuíam dentes caninos que cresciam continuamente, seus molares carniçais eram menos especializados e possuíam uma falange óssea no maxilar inferior que protegiam os enormes dentes caninos.
   A tendência evolutiva dessa família, era da perda dos dentes incisivos, que eram muito pequenos ou então estavam ausentes e os dentes inferiores também eram pouco desenvolvidos. Os músculos responsáveis pela mordida eram relativamente fracos, porém eram compensados pelo aumento do tamanho dos músculos do pescoço, que auxiliavam o movimento de baixar a cabeça, cravando os enormes dentes caninos em suas presas. Possuíam as mesmas características de caça dos outros dentes de sabre, não sendo bons corredores e possuindo força e robustez para atacar de frente, impactando contra suas presas, as subjugando e em seguida cravando seus enormes caninos em pontos estratégicos, levando-as rapidamente a morte.

Infraclasse: Metatheria
Ordem: Sparassodonta
Subordem: Feliformia
Família: Thylacosmilidae, Riggs, 1933
Gêneros:
- Anachlysictis (Goin, 1997)
- Patagosmilus (Forasiepi & Carlini, 2010)
- Thylacosmilus (Riggs, 1933)

Thylacosmilus atrox

Referências:
- Alan Turner & Mauricio Anton, The Big Cats and Their Fossil Relatives, Nova Iorque, Columbia University Press, 1997.
- Analía M. Forasiepi & Alfredo A. Carlini (2010). A new thylacosmilid (Mammalia, Metatheria, Sparassodonta) from the Miocene of Patagonia, Argentina.
- Ascanio, D.; Rincón R. (2006). "A first record of the Pleistocene saber-toothed cat Smilodon populator Lund, 1842 (Carnivora: Felidae: Machairodontinae) from Venezuela". Asociación Paleontologica Argentina.
- Barnett, Ross; Ian Barnes, Matthew J. Phillips1, Larry D. Martin, C. Richard Harington, Jennifer A. Leonard, and Alan Cooper (9 August 2005). "Evolution of the extinct Sabretooths and the American cheetah-like cat".
- Bryant, Harold N. (Feb. 1991). "Phylogenetic Relationships and Systematics of the Nimravidae (Carnivora)". Journal of Mammalogy.
- Christiansen P. and Harris J.M. 2005. Body size of Smilodon (Mammalia: Felidae).
- Christiansen, P.; Harris, J. M. (2005-12). "Body Size of Smilodon (Mammalia: Felidae)". Journal of Morphology.
- Christine Argot (2004): Evolution of South American mammalian predators (Borhyaenoidea): anatomical and palaeobiological implications. Zoological Journal of the Linnean Society.
- Christine Argot (2004): Functional-adaptive features and palaeobiologic implications of the postcranial skeleton of the late Miocene sabretooth borhyaenoid Thylacosmilus atrox (Metatheria), Alcheringa: An Australasian Journal of Palaeontology.
- Cope, E. D. (Edward Drinker). 1889. "Synopsis of the Families of Vertebrata." The American Naturalist.
- Flynn, John J. and Henry Galiano. 1982. Phylogeny of early Tertiary Carnivora, with a description of a new species of Protictis from the middle Eocene of Northwestern Wyoming. American Museum Novitates.
- Goin, F.J. (1997) New clues for understanding Neogene marsupial radiations. In: Kay, R.F., Madden, R.H., Cifelli, R.L. & Flynn, J. (Eds.), A History of the Neotropical Fauna -Vertebrate Paleobiology of the Miocene in Colombia. Smithsonian Institution.
- Goin, F.J. 2003. Early marsupial radiations in South America. En: M. Jones, C. Dickman y M. Archer (eds.), Predators with Pouches, The Biology of Carnivorous Marsupials, CSIRO Publishing, Australia.
- Kurten, B.; Werdelinb, L. (1990). "Relationships between North and South American Smilodon". Relationships between North and South American Smilodon.
- Mydans, Seth (1989-09-26). "Saber-Tooth Social Life: Primeval Compassion". The New York Times.
- Prothero, Donald R. (2006). After the Dinosaurs: The Age of Mammals. Bloomington, Indiana: Indiana University.
- Turner, A.; Antón, M. (1997). The Big Cats and Their Fossil Relatives: An Illustrated Guide to Their Evolution and Natural History. Columbia University.
- Turner, Alan (1997). The Big Cats and their Fossil Relatives: an illustrated guide. New York: Columbia University.
- Zoological Journal of the Linnean Society, 2003.



loading...
loading...
   ® Atlas Virtual da Pré-História - AVPH.com.br | Conteúdo sob Licença Creative Commons | Política de Privacidade | Termos de Compromisso | Projeto: AVPH Produções
    Obs.: Caso encontre alguma informação incoerente contida neste site, tenha alguma dúvida ou queira alguma informação adicional é só nos mandar um e-mail. Tenha uma boa consulta !!!.