Pesquise no Grupo AVPH
loading...


Anterior
Futuro há 50 milhões de anos


Próximo


   Durante os primeiros 5 milhões de anos no Futuro:
   Nesse período de tempo a Terra passar pela última fase de uma Era do Gelo.
Os seres humanos estarão extintos mas não serão os únicos, pois outros seres vivos também perecerão. Isto porque grande parte da água fresca está agora congelada em enormes calotas de gelo que atingem o sul de Paris e o norte de Bueno Aires e fazendo com que o nível do mar desça cerca de 150 metros.
   Nas bordas destas calotas, animais adaptar-se-ão ao frio gélido e aos rigorosos Invernos; nos trópicos, a floresta tropical que tinha tudo, desaparecerá, sendo substituída por uma mera savana seca.
No entanto, outras mudanças ocorrerão – pois acontecerá um súbito aumento na atividade vulcânica. Erupções vulcânicas emitirão gases de efeito estufa para a atmosfera e aí o planeta começará a aquecer-se e o descongelamento das calotes polares irá criar massivas e destruidoras cheias.

   Os gelos da Europa do norte
   Dentro de 5 milhões de anos, a temperatura global baixará drasticamente empurrando o gelo do casco polar sobre o norte da Europa. Com temperaturas de -60º C e ventos gelados de -115º C, a antiga Europa encontrar-se-á coberta por uma camada de gelo de 3,2 km de profundidade. A Escandinávia e grande parte do norte da Europa tornar-se-ão num ambiente extremamente gelado, caracterizado por ter invernos longos e verões muito curtos. Grande parte das plantas desaparecerá por causa do frio e da perda de água líquida mas restará plantas como por exemplo o algodoeiro, os líquenes e o urze. Pequenas árvores resistentes como salgueiros prosperarão em pequenos buracos no solo.

   A bacia do Mediterrâneo
   As placas tectônicas empurrarão a África em direção à Europa fechando o Estreito de Gibraltar, que ligava o oceano Atlântico com o mar Mediterrâneo. A descida do nível da água e a falta de umidade do ar, fará com que o Mediterrâneo comece a evaporar-se, dando origem à formação de um dos maiores e mais quentes desertos da Terra. Aparecerá uma enorme salina de mais de 1.500 metros sob o nível do mar, com temperaturas de 54º C e um regime de chuvas quase inexistentes.
   Este grande deserto de sal será transformado num habitat muito inóspito, onde a água e o alimento serão escassos e só alguns animais muito especializados poderão viver. Dentro deste deserto europeu, existirão montanhas que uma vez foram as ilhas exuberantes do Mediterrâneo. Por outro lado a superfície das montanhas será completamente lisas e brancas contendo umas manchas de vermelho devido à atividade das bactérias adoradoras de sal.
Transformado no único refúgio desta zona de deserto, muitos animais viverão no oásis de pedra que oferece pastos e raízes para sua alimentação.

   O deserto norte-americano
   Num futuro de 5 milhões de anos, a parte norte da América do Norte estará coberta por uma camada de gelo onde sopram ventos fortes de forma paralela ao manto gelado. Em direção ao sul, estes ventos levarão quantidades enormes de resíduos, formando uma paisagem semelhante à superfície de Marte.
   O lugar que em outros tempos foi a dispensa da América do Norte, será no futuro um extenso deserto seco e gelado formado por areia e pedras. Com uma velocidade de 110 km/h e a uma temperatura de -47ºC, tempestades constantes de areia afetarão a zona compreendida entre o litoral leste e as montanhas rochosas. O Ocidente será uma região de 2.400 quilômetros afetada por grandes ventanias de pó, e a umidade só aparecerá em forma de nevadas pouco frequentes. Este solo que conheceu um passado fértil, só poderá manter matas e árvores raquíticas. Com poucos alimentos disponíveis, quase todos os mamíferos grandes serão extintos.
Não existe nenhum habitat mais hostil do que o deserto gelado.

   As campinas da Amazônia
   As florestas tropicais da Amazônia desaparecerão, tornando-se em savanas e campinas. A campina amazônica será uma terra que escapou do gelo e se estende entre o Equador e os pólos, numa área que cobre mais de 16 milhões de Km². Será seca e quente, com temperaturas que chegam aos 38ºC e pastos de uma altura de 1,80 metros, perfeitos para cobrir os seus predadores. O rio Amazonas, outrora enorme, encolherá.
   O calor extremo fará destas terras um lugar perfeito para as tempestades eléctricas, cujas faíscas incendiarão os pastos. O fogo que se espalhará a toda velocidade pela savana queimando tudo o que encontra no seu caminho, em extensões de centenas de quilômetros, e assim existirão poucas árvores de crescimento lento.

Veja na tabela abaixo os animais catalogados que viveram nessa época:

Andador do Junco
Cauda de Cobra
Criptilo
Dentes de Sabre Polar
Distarterops
Dragão da Savana
Engolidor de Lama
Espreitador
Falanx
Gigantílope
Gigantílope das Planícies
Gigantílope lanoso
Planador da Noite
Truteal
Zarander

Referências:
- http://www.thefutureiswild.com



loading...
loading...
   ® Atlas Virtual da Pré-História - AVPH.com.br | Conteúdo sob Licença Creative Commons | Política de Privacidade | Termos de Compromisso | Projeto: AVPH Produções
    Obs.: Caso encontre alguma informação incoerente contida neste site, tenha alguma dúvida ou queira alguma informação adicional é só nos mandar um e-mail. Tenha uma boa consulta !!!.